108SP GRUPO ESCOTEIRO JABUTI | Escoteiros do Brasil | São Paulo

GRUPO ESCOTEIRO JABUTI | Escoteiros do Brasil | São Paulo

1. Considerações

Todo nosso material está a disposição de quem queira trabalhar com Colônias.
Esse material foi disponibilizado pela chefe Carmen Ligia Nobre Lemos (Chefe Malak). Caso queira entre em contato com a chefe Carmen pelo email carmenligianl@gmail.com

Sobre o Ramo Castor

A importância do Castorismo reside em adaptar os princípios do escotismo a faixa etária entre 5 e 7 anos, devido a grande necessidade, nestes tempos modernos, em estender-se a atuação de atividade tipo escoteira à crianças desta idade – irmãos mais jovens de nossos lobinhos e escoteiros, filhos de chefes – enfim, crianças que, muitas vezes, já ficam acompanhando as demais atividades escoteiras durante as reuniões.

A seção do Grupo que congrega os castores é denominada Colônia de Castores, com, aproximadamente, 12 a 15 crianças, seguindo os princípios básicos semelhante ao escotismo, no que diz respeito à sua Organização. Ela é formada por 3 a 4 subgrupos – as Tocas – que são compostas por, no máximo, 4 crianças.

As informações necessárias para o desenvolvimento dos trabalhos com a ramo encontram-se no Livro Organizacional do Ramo Castor; no Manual do Chefe Castor; no Guia do Castor; no Cancioneiro Castor (Material disponível para Download); e no Caderno de Atividades do Castor.

Os Princípios do Ramo Castor assemelham-se aos do Escotismo na sua essência, tendo sido realizado amplo estudo sobre as características psicológicas, cognitivas, afetivas e de socialização dessa faixa etária, criando-se o Lema, a Lei e a Promessa do Castor. Seus Fundamentos enfatizam a vida familiar do castor, sensibilizando-o ao auxílio ao próximo, cultivando seu espírito cívico e desenvolvendo sua espiritualidade natural.

O Símbolo do Castorismo (perfil de castor), o Sinal de mão, as cores do uniforme (marrom da terra, azul do lago e do céu) e a terminologia (Dique, Colônia, Batida da Cauda, etc) foram idealizados para transmitirem os valores próprios do Ramo, originados no “modus vivendi” do animal castor, servindo como base para criar as Tradições do Ramo Castor.

O Castorismo respeita a potencialidade de cada criança, trabalhando com conceitos adequados à sua idade, aproveitando suas características de amadurecimento tendo, como base, a relação natural de amizade com os animais e plantas; a curiosidade nata de estar sempre querendo aprender; a natureza essencial de ser alegre, ativo, brincalhão e a necessidade de desenvolver atividades em grupo e de socialização, o que embasa e é retratado nos 4 artigos de sua Lei.

O Sinal de Mão é feito com os dedos indicador e médio semi fletidos, afastados entre si, com polegar encimando e protegendo os demais dedos. Esse sinal simboliza os dentes frontais do Castor, sua principal característica e fonte de sua maior habilidade na natureza.

Por outro lado, a troca dos dentes de leite para permanente entre 5 e 7 anos é, também, a principal característica dessa faixa etária, demonstrando, não só o crescimento com suas mudanças de ordem física, como também (e principalmente) corresponde ao marco importante de promoção social (fase de alfabetização e socialização). Ao mesmo tempo, representa as duas partes da Promessa do Castor.

Além disso, quando o Castor ingressa na Alcatéia, ele serve de prontidão para o Sinal do Lobinho, bastando, nesse momento, a criança apenas esticar seus dedos.

O Ramo Castor tem em seu Lema uma proposta de estilo de vida com melhores perspectivas para o futuro destas crianças, que serão sensibilizadas a conscientizarem-se de que, as mudanças só ocorrem, quando assume-se uma atitude ativa para conquistá-las.

Carmen Ligia Nobre Lemos
Chefe Malak
Grupo Escoteiro Jabuti – SP 108

VN:F [1.9.22_1171]
Rating: 10.0/10 (5 votes cast)
VN:F [1.9.22_1171]
Rating: +5 (from 5 votes)
1. Considerações, 10.0 out of 10 based on 5 ratings